domingo, 26 de abril de 2015

Então, Derek Shepherd está morto.

Sim, ele está. E não adianta dizer que o título é spoiler. Se você esteve na internet nos últimos dois dias, sabe muito bem disso. E talvez você nem conheça a série. E mesmo que tenha assistido às dez temporadas anteriores, a única coisa que você sabe agora, é que Derek Shepherd está morto.

Grey's Anatomy estreou em 27 de março de 2005 nas televisões americanas, mas foi em um aleatório dia de novembro, após assistir ao Melhor Amigo da Noiva (pela enésima vez, eu confesso), que decidi buscar no catálogo do Netflix algum outro filme com o Patrick Dempsey. E encontrei o McDreamy. Ele, logo no primeiro capítulo dessa drama que muitas vezes se assemelha a um dramalhão mexicano, nos conquista sendo 'só um cara no bar'. Completei todas as temporadas em menos de três meses, onde pude acompanhar a evolução e revolução do médico com o melhor cabelo do Seattle Grace Hospital.

Ele era um incrível cirurgião, com um ego ainda mais extraordinário. Separou-se da primeira esposa pois esta o traiu, mas fez o mesmo com aquela por quem clama ser o amor de sua vida. Tenta roubar o cargo da própria irmã, enquanto costumava dizer que família vem em primeiro lugar. Ele era cheio de contradições, e por isso, humano. Em todos os sentidos da palavra.

Do homem ou a ele relativo. Bondoso, benfazejo, compassivo. Os homens, o gênero humano. Essa é a definição do dicionário. Derek se enquadrava em todas elas, especialmente bondoso. Ele deu o seu máximo para cada paciente, e chegou a enlouquecer pelas baixas que teve pelo caminho. Seu destino foi selado tentando evitá-las.

Derek Shepherd está morto. E eu não chorei uma lágrima, apesar de ter o feito episódio sim, episódio não da décima primeira temporada. Ao invés disso, eu pensei. E isso é tudo o que nós podemos desejar de uma ficção. Refletir. Considerar que mesmo aquele que luta contra a morte todos os dias não pode escapar dela. Que por mais excepcional seja sua vida, que você trabalhe para o presidente, que tenha escapado de um acidente aéreo e de um tiroteio, que tudo isso não te torna inalcançável. Você está sujeito a tudo a um fim por um acidente de carro, seguido por uma sequência de erros médicos. Pois infelizmente, na vida real,  não existem apenas médicos que são providos não só de conhecimento acadêmico mas também de compaixão. Pode faltar um. Ou os dois. Para nós só fará realmente a diferença quando isso afetar uma realidade próxima, e eu não desejo isso a ninguém. O meu sincero desejo é outro.

É poder chegar ao final de uma vida sabendo que a vivi plenamente e não só para mim. É contribuir, da forma que posso, para mudar um trecho da história. E isso se chama inspiração: acreditar que um pequeno gesto será capaz de transformar e salvar uma parte do mundo. E como diria Derek Shepherd, é um belo dia para se salvar vidas. Faça desse o seu lema para a vida e meu desejo estará realizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...