sábado, 9 de maio de 2015

A maior história de amor do século XX?

O título Duque de Windsor foi criado por George VI para o seu irmão,
a partir do nome de uma das residências reais,
o Castelo de Windsor
'E se'. Uma combinação catastrófica de palavras capazes de levar os mais emocionalmente estabilizados à loucura. 'E seu eu não tivesse feito isso, e se eu tivesse feito aquilo.' Quando se trata de assuntos históricos, a situação pode-se ser ainda mais complicada. 'E se D. Pedro não tivesse proclamado a independência, e se Hitler não tivesse perdido a guerra?'. E se a maior história de amor do século XX não fosse real?

Muitas vezes passado despercebido, o romance entre Wallis e Edward poderia ser apenas uma simples história de amor, com adultério, divórcio e felizes para sempre. Mas aí seria só mais um romance comum, não seria digno do título. E nesta narrativa, o título é (quase) tudo.

Ela uma socialite no segundo casamento. Ele? O futuro rei da Inglaterra. Se conheceram por intermédio da Thelma, a Viscondessa de Furness, que na época estava envolvida com o príncipe herdeiro. E estar casada não era para ela um impedimento para iniciar um novo relacionamento.
Enquanto estava em seu primeiro matrimônio, com aviador da Marinha Americana alcoólatra, conviveu amorosamente com um embaixador argentino e com o futuro genro de Mussolini. E toda essa tração era justificável, um diplomata italiano servindo em solo chinês, definiu a futura Duquesa de Windsor como interessante de conversa brilhante. Sabia atrair as atenções para si, sem precisar utilizar a linguagem verbal para se expressar. Durante sua estadia na China, a única frase em mandarim padrão a qual aprendeu, segundo relatos, foi 'garoto, me passe a champagne'.

E foi essa mulher altiva e requintada que conquistou o coração de Edward Albert Christian George Andrew Patrick David, ou somente David, como ela o chamava. Primeiro na linha de sucessão, nunca foi o preferido do pai. Quando uma crise constitucional começou a surgir após a morte de George V, o então Rei Edward VIII abdica ao trono para viver ao lado de seu amor.
E se não tivesse abdicado? E se seu irmão, George VI, não tivesse assumido? Em termos políticos jamais saberemos, mas quando se trata da linhagem real algumas considerações podem ser feitas. A filha do rei gago, Elizabeth II, não teria sido coroada. Seu filho talvez nunca se casasse com uma certa professora de jardim de infância, e provavelmente com ela não teria tido filhos. E um desses descendentes talvez não tivesse se tornado novamente pai em 02 de maio de 2015.

Apesar de não abordar todos esses devaneios quase que aleatórios, o filme W.E. - o Romance do Século retrata de um modo lírico as passagens entre Wallis e Edward. Com visões alternadas entre a vida dos nobres e de uma mulher dos anos 90 em busca de uma paixão, o longa-metragem dirigido por Madonna teve uma baixa bilheteria e ácidas críticas. Alguns consideraram a trajetória de Wally Whitrop monótona e ofuscada, com paralelismo desnecessários e inexplicados. Eu, com os meus poucos conhecimentos cinematográficos, o classifiquei como adorável. A forma como as expectativas da Sra. Whintrop vão se desmanchando frente à realidade são bem consistentes. E ao descobrir que talvez o romance do século não fosse assim tão romântico, ela precisa decidir que lições tirará disso e como as aplicará em seu próprio roteiro.

Certamente o filme não pode ser considerado fonte de pesquisa histórica, nem mesmo crítica. Afinal, o fato do casal Windsor, exilados por quase toda a vida, ter uma ligação bem forte com o nazismo foi abordado superficialmente, levando em consideração o fácil acesso à foto do duque e da duquesa cumprimentando Adolf Hitler. Entretanto, para contestar a veracidade desse tópico, precisaríamos debater o apelo antissemita do pai da atual monarca inglesa. Mas isso já é assunto para uma crítica ao filme 'O Discurso do Rei'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...